TEXTOS

 
                                 
                             UM LOUCO NU*

                                                      Lucarocas


         No trabalho me chamou atenção um burburinho de alunos em final de aula. Além do normal era o barulho.

         Um corre-corre movimentava turmas e mais turmas em corridas à quadra. Idas e vindas de gargalhadas e desprezo.

         Sério homem me informa o ocorrido: um louco nu desfilava na quadra com um ar de pavão exibindo parte de cabo de vassoura introduzido no ânus.
         Cena de alegria e chacota para alunos insensíveis à dor alheia. Para mim cena chocante que não me atrevi a ver.

         Não vi, mas imaginei a dor do Louco Nu de espírito conturbado pela loucura e desprezado pelo homem que se diz são.

         Imaginei como num ambiente educacional existem tantos “loucos” que poderiam estar nus. Nus do seu egoísmo, da sua inveja, da sua arrogância, das suas maldades, das suas desonestidades, das suas vontades de magoar o outro para se dar bem, e de muitas outras mazelas.

         Pensei, assim na minha loucura, que quando essas pessoas se desnudassem não receberiam “cabadas de vassouras”, não no ânus, mas nas costas dos seus destinos.

         Voltei à minha sanidade, e soube que o Louco Nu foi conduzido pela polícia para local ignorado, pois não há na cidade um local específico de acolhimento à loucura.

         O ambiente escolar voltou ao “normal”, mas ficou um clima de que um dia um desses alunos de hoje possam ser também um Louco Nu.


* Texto inspirado em fato ocorrido na Escola Estado do Maranhão
   Fortaleza – CE. Na tarde do dia 14 de maio de 2013.


PÁSSARO SOLTO, PÁSSARO MORTO

                                               Lucarocas

             A beleza lhe era peculiar, assim como a inteligência.
            Amigas só da escola. Outras, não dou notícia.
             Filha única, mundo único. Quatorze anos de feliz vigilância paterna. Liberdade vigiada, acompanhada sempre que saía, pai e mãe em dedicação total.
            Filhos dão trabalho. Um único filho é melhor criar. Assim deu-se assim ficou, assim foi-se.
           Querida, pacífica, amada. Suas idéias eram de paz, patriotismo e valorização humana. Tinha horror à guerra, horror à fome. Sofria com o sofrimento alheio. Detestava violência, queria liberdade.
           -    Mãe quero sair só, ir à escola! Dizia.
Nada, companhia de pai e mãe para dar segurança.
           -          Mas, mãe!
-          Só depois, um dia desses! Promessas.
No quarto, liberdade nos livros, computador, sonhos.
Ser veterinária grande sonho: animais, natureza, liberdade.
-          Hoje você vai encontrar comigo, voltamos juntas do trabalho. Prometeu a mãe.
Alegria, sorriso, vôo...
Hora marcada, hora seguida. Três quadras, uma estação do metrô. Cinco minutos de uma estação à outra, encontro com a mãe, alegria da volta.
            Passos livres na escadaria.
            Correria.
 Assalto.
Bala perdida
Bala encontrada, no peito.

No chão, pássaro solto, pássaro morto, pássaro livre.


LIÇÃO DE MESTRE
                                               Lucarocas
         Não há aprendizado sem ensinamento.
O mundo ensina, a vida ensina, o homem aprende.
Mas a lição maior está no mestre que se preparou com o mundo para ensinar as lições para a vida.
         Quando o mundo mostra o caminho, o mestre pega na mão do aprendiz e o conduz à vida.
Quando o mundo escurece, o mestre acende a luz e clareia a trajetória.
Quando o mundo se enfurece o mestre, pacientemente, leva o aprendiz a uma reflexão sobre a paz.
Quando o mundo confirma uma dura realidade, o mestre ensina que é possível sonhar.
Quando o mundo nega todas as possibilidades do sonhar, o mestre acende a chama da esperança.
Quando o mundo indica que tudo está perdido, o mestre mostra que é o momento de renascer.
Quando o mundo prega a prática do ódio, o mestre revisa a lição do amor.
Quando o mundo faz o aprendiz adormecer por cansaço, o mestre baixa a voz para não acordá-lo.
Quando o mundo afirma que o homem está pronto, o mestre confirma que está na hora de se começar a aprender.
Quando o mundo pede o fim de carreira do mestre, o mestre, conscientemente, sabe que está na hora de praticar tudo o que aprendeu durante o tempo que achava que ensinava.
Assim, com essas pequenas lições de mestre, é que chegaremos à grandeza dos homens.
PS.: Infelizmente as políticas e os políticos estão matando    a grandeza de ser mestre.

                           

******************************************

                  PÁSSARO SOLTO, PÁSSARO MORTO



                                                                 Lucarocas


            A beleza lhe era peculiar, assim como a inteligência.


            Amigas só da escola. Outras, não dou notícia.


           Filha única, mundo único. Quatorze anos de feliz vigilância paterna. Liberdade vigiada, acompanhada sempre que saía, pai e mãe em dedicação total.

Filhos dão trabalho. Um único filho é melhor criar. Assim deu-se assim ficou, assim foi-se.

Querida, pacífica, amada. Suas idéias eram de paz, patriotismo e valorização humana. Tinha horror à guerra, horror à fome. Sofria com o sofrimento alheio. Detestava violência, queria liberdade.

-          Mãe quero sair só, ir à escola! Dizia.

Nada, companhia de pai e mãe para dar segurança.

-          Mas, mãe!

-          Só depois, um dia desses! Promessas.

No quarto, liberdade nos livros, computador, sonhos.

Ser veterinária grande sonho: animais, natureza, liberdade.

-          Hoje você vai encontrar comigo, voltamos juntas do trabalho. Prometeu a mãe.

Alegria, sorriso, vôo...

Hora marcada, hora seguida. Três quadras, uma estação do metrô. Cinco minutos de uma estação à outra, encontro com a mãe, alegria da volta.

            Passos livres na escadaria.

            Correria.

Assalto.

Bala perdida

Bala encontrada, no peito.

No chão, pássaro solto, pássaro morto, pássaro livre.





MULHER, LUZ DE VIDA Lucarocas



      A luz que brilha nos olhos de uma mulher traz sempre um lume de vida.
      Se em uma mulher há tristeza, o brilho do seu olhar transmite um lume de esperança. Se há dor, o brilho é de fé, se há alegria, o brilho é de júbilo.
      Se há desarmonia, no fundo do olhar de uma mulher encontra-se a paz.
      No brilho do olhar de uma mulher encontramos sempre um ponto de oração e um brilho de Deus.
        Nos olhos de uma mulher encontramos a doçura da maternidade, do companheirismo e do amor.
        É no olhar de uma mulher encontramos a sua força de luta, e a chama da vontade de vencer, de fazer um mundo ainda melhor.
        Hoje, quando o mundo é enegrecido pelas mazelas da vida, desejamos que todas as mulheres tragam em seus olhares um brilho de esperança, um lume de fé um jubiloso fulgor e um imenso clarão de paz para que a vida seja sempre uma benção sob os domínios de Deus.
      Pois, só quando essa luminosidade feminina contagiar toda a humanidade, é que seremos verdadeiramente felizes.
     Que a luz divina ilumine todas as mulheres neste dia e sempre.