28/12/2012



      AMIGOS DA LUZ

                        Lucarocas

Estava triste num canto
Nos olhos ardor de pranto
Com vergonha de chorar
No peito uma dor corrente
Levando pra minha mente
Tristezas pra me afogar.

Via a vida em minha mão
Querer outra direção
Num afogar de sofrer
E sem forças pra chorar
Nem coragem pra matar
A minha dor a doer.

Enxuguei a solidão
E do pranto fiz canção
Pra uma fé que me conduz
Na noite colhi a brisa
E fui vestir a camisa
Desses Amigos da Luz.

E nesse encontro primeiro
Fui buscar um paradeiro
Levando min’alma nua
E com o encontro marcado
Vi um povo iluminado
Gente em situação de rua.

Eu ali vi muita gente
Numa festa diferente
Nesse clima de natal
Que cada sorriso franco
Também vestia de branco
Todo mundo muito igual.

O pobre, o preto ou o burguês
Ali tinham sua vez
Pra se confraternizar
Comiam a mesma comida
Bebiam a mesma bebida
Num instante a se igualar.

Refleti sobre o que tenho
Pelo muito que desdenho
Da vida que me oferece
A Deus fui pedir perdão
E na minha solidão
Debulhei mais uma prece.

Foi nesse momento igual
Que eu senti o que é Natal
Na paz e amor de Jesus
E não mais eu quis chorar
Para poder me alegrar
Com esses Amigos da Luz.

 
Fortaleza, 28 de dezembro de 2012.